AR BN FR DE HI HU ID MS NE PT SI ES TE VI
Ir para o conteúdo principal

Compreendendo as pragas de pulgões: espécies, danos e estratégias de manejo

guias de pragas

Visão geral
O que são pulgões?
Quais são os diferentes tipos de pulgões?
Qual é o impacto dos pulgões?
Como posso saber se tenho um problema de pulgões?
Como se livrar dos pulgões
Conclusões e direções futuras

Pulgões são pequenos insetos que se alimentam da seiva das colheitas e de outras plantas. Globalmente, existem cerca de 5,000 espécies de pulgões, com cerca de 1,350 somente na América do Norte. As diferentes espécies de pulgões variam tanto na aparência quanto no tipo de planta que atacam. Os pulgões são insetos de corpo mole e muitas espécies são inofensivas para as plantas. As espécies problemáticas só causam danos às plantas quando o seu número atinge um determinado nível. Só no Canadá, os pulgões atacam várias culturas importantes, como maçã, trigo, batata e repolho. Isto pode levar a uma perda significativa de rendimento e os pulgões também podem transmitir doenças que causam ainda mais danos às plantas.

Neste artigo, forneceremos uma visão geral do que são os pulgões e como identificá-los, antes de fornecer instruções sobre como se livrar deles.

O que são pulgões?

Pulgões são pequenos insetos em forma de pêra, de corpo mole, geralmente verdes, mas também podem aparecer em outras cores, como amarelo, rosa, roxo e marrom-avermelhado. Algumas espécies de pulgões podem ter asas, principalmente na primavera e no outono e quando a colônia é grande. Os pulgões geralmente se distinguem de outros insetos pela presença de cornículas. Cornículas são estruturas semelhantes a tubos que apontam para fora do corpo. Os pulgões podem ser encontrados como insetos solitários, mas só causam danos às plantas em maior número.

Os pulgões podem se reproduzir sexualmente e assexuadamente (com e sem parceiro). Isto significa que o seu número pode crescer rapidamente e 12 gerações podem ser produzidas anualmente. Os pulgões juvenis são chamados de ninfas, que passam por vários estágios distintos de crescimento antes de se tornarem adultos. Esse processo leva cerca de uma semana.

Os pulgões podem ser protegidos por outros insetos, como formigas. As formigas efetivamente “cultivam” pulgões e usam sua melada como fonte de alimento. Em troca, as formigas mantêm os predadores de pulgões afastados. Os pulgões também compartilham uma relação simbiótica com uma bactéria chamada Buchnera afidicola que produz aminoácidos essenciais para pulgões em troca de proteção e nutrientes.

Pulgão Alkanet, de cor amarelo claro, mostrando os distintos tubos corniculares projetando-se do abdômen.
Close de um pulgão Alkanet (Ovatomyzus boraginacearum), mostrando as cornículas distintas projetando-se da parte superior do abdômen. ©InfluentialPoints/via influentepoints.com – CC BY 3.0

Quais são os diferentes tipos de pulgões?

Existe uma enorme variedade de espécies de pulgões que diferem na aparência e nas culturas que afetam. Algumas das espécies mais comuns ou problemáticas são:

Pulgão da maçã (aphis pomi)

Essas pragas também são conhecidas como pulgões da maçã verde. Alimentam-se de folhas e rebentos jovens, mas não causam danos significativos em pequenos números. Em grande número, eles são capazes de retardar o crescimento das plantas e prejudicar a qualidade dos frutos. A melada que secretam pode causar o crescimento de fungos nas plantas.

Uma infestação de muitos pulgões da maçã, de cor verde, no caule de uma planta
Pulgão da maçã (aphis pomi) infestação – Créditos: Jim Baker, Universidade Estadual da Carolina do Norte, Bugwood.org

Pulgão do repolho (Brevicoryne brassicae)

Como o nome sugere, esses pulgões atacam o repolho e plantas semelhantes, como brócolis e couve. Eles são tipicamente verde-acinzentados e secretam melada. Dependendo do seu número, os pulgões do repolho podem causar amarelecimento das folhas e até mesmo resultar na perda total da colheita.

Uma folha verde com pulgões do repolho de cor clara
Pulgão do repolho (Brevicoryne brassicae) – Créditos: Whitney Cranshaw, Colorado State University, Bugwood.org

Pulgão verde do pêssego (Myzus persicae)

Esses insetos são normalmente amarelados ou verdes, mas também são observadas variedades rosadas. Alimentam-se de pêssegos e outras culturas como batatas e podem causar perdas significativas de colheitas. Além dos danos diretos causados ​​pela alimentação, esta espécie também espalha muitos vírus prejudiciais às plantas nas culturas que ataca.

Pulgões verdes do pêssego, de cor amarelo claro, coletados no caule da folha
Pulgão verde do pêssego (Myzus persicae) – Créditos: Whitney Cranshaw, Colorado State University, Bugwood.org

Pulgão da ervilha (Acirtosifão pisum)

Estas pragas têm como alvo as culturas leguminosas, incluindo ervilhas, e são encontradas nas variedades verde e rosa. Como outros pulgões, eles espalham doenças nas plantas e promovem o crescimento de fungos ao secretar melada.

Pulgão-ervilha, de cor verde, com longas antenas com pontas amarelas e pretas
Pulgão da ervilha (Acirtosifão pisum) – Créditos: Phil Sloderbeck, Kansas State University, Bugwood.org

Pulgão-maçã lanoso (Eriosoma lanigerum)

Essas pragas atacam macieiras e plantas semelhantes e normalmente são marrom-avermelhadas. Eles secretam uma substância cerosa que os cobre no que parece ser uma camada de algodão. Eles podem atacar a casca das árvores, que pode se tornar um local de infecção bacteriana e fúngica.

Uma infestação de pulgões-lanudos em um galho de planta marrom mostrando a lã fofa característica de sua presença
Pulgão-maçã lanoso (Eriosoma lanigerum) – Créditos: Whitney Cranshaw, Colorado State University, Bugwood.org

Pulgão rosado da maçã (Dysaphis plantaginea)

Esses insetos atacam macieiras e têm aparência roxa ou rosa. Os pulgões da macieira rosada atacam folhas e frutos, além de consumir seiva. As macieiras infestadas com essas pragas produzem frutos menores que não caem. Como algumas outras espécies de pulgões, essas pragas promovem o crescimento de fungos e são responsáveis ​​pela transmissão de doenças às plantas.

Pulgões-maçã rosados, castanhos escuros, na parte inferior de uma folha
Pulgão rosado da maçã (Dysaphis plantaginea) – Créditos: Whitney Cranshaw, Colorado State University, Bugwood.org

Para mais espécies ou informações adicionais, a Universidade da Califórnia, a Universidade de Wisconsin-Madison e a universidade estadual Rede Bugwood oferecem uma riqueza de pesquisas e recursos sobre identificação, biologia e manejo de pulgões.

Qual é o impacto dos pulgões?

Os pulgões têm aparelhos bucais longos e especializados que lhes permitem perfurar o tecido da planta e obter acesso à seiva das folhas ou de outras partes da planta. Grandes infestações podem causar crescimento atrofiado da planta e fazer com que os frutos não amadureçam adequadamente. Como mencionamos, os pulgões atacam uma grande variedade de plantas hospedeiras. Provavelmente é mais comum encontrar qualquer planta com um pulgão se alimentando dela do que sem. Muitas espécies de pulgões produzem melada, uma substância açucarada que estimula o crescimento de um fungo denominado fuligem, que pode inibir o crescimento das plantas.

Doenças de plantas transmitidas por pulgões

Os pulgões transmitem uma grande variedade de doenças de plantas (principalmente vírus) que podem causar a perda total das colheitas. Esses incluem:

  • Vírus da Batata Y (PVY) afeta principalmente as batatas, mas também danifica outras plantas. Os sintomas de PVY incluem padrões de mosaico e manchas nas folhas, queda de folhas, malformações de tubérculos (em batatas) e perda de qualidade e rendimento da colheita.
  • Vírus do Mosaico Comum do Feijão (BCMV) afeta feijão comum e outras leguminosas como ervilhas. Os sintomas do BCMV incluem padrões de mosaico e manchas nas folhas, crescimento atrofiado e tamanho reduzido dos frutos.
  • Vírus Anão Amarelo da Cevada (BYDV) afeta principalmente a cevada e o trigo, mas também a aveia e o centeio. Os sintomas do BYDV incluem amarelecimento e vermelhidão das folhas, crescimento atrofiado, redução da qualidade e rendimento dos grãos e aumento da suscetibilidade a outros estresses.

O controle das populações de pulgões é essencial para prevenir a propagação de vírus nocivos às plantas, que podem reduzir significativamente o rendimento e a qualidade das culturas.

Folhas de uma planta que apresentam ondulação deformada devido a uma infestação de pulgões
Planta de gardênia do Taiti com folhas jovens onduladas e distorcidas causadas pela alimentação de pulgões. Direitos autorais: Scot Nelson, Flickr.

Os pulgões são perigosos para os humanos?

Os pulgões não são perigosos para os humanos. Eles não mordem nem picam e não são venenosos.

Como posso saber se tenho um problema de pulgões?

Os pulgões normalmente não causam danos até que haja uma infestação significativa. Os primeiros sinais que você provavelmente notará incluem ondulações ou amarelecimento das folhas. Você também pode notar que as frutas não estão crescendo no tamanho esperado. Outros sinais incluem o aparecimento de mofo preto com fuligem ou um material lanoso semelhante ao algodão que aparece em algumas espécies, como o pulgão-lanoso da maçã.

Os pulgões são visíveis a olho nu, portanto uma grande infestação pode ser facilmente observada após inspeção. Se você notar um aumento no número de formigas ao redor de plantas ou árvores, pode ser um sinal de que há uma infestação de pulgões. Isso geralmente pode ser confirmado verificando-se mais acima na planta.

Como se livrar dos pulgões

O controlo de pulgões beneficia significativamente da gestão integrada de pragas, que combina métodos culturais e biológicos para alcançar soluções sustentáveis.

controle cultural

Os pulgões podem ser particularmente prejudiciais para as mudas jovens, portanto, verificar se há pulgões na área de plantio antes do plantio pode ajudar a prevenir danos. Da mesma forma, a semeadura no início da estação pode ajudar as plantas a atingirem a maturidade antes que a população de pulgões se torne prejudicial nos meses mais quentes. Monitorar as plantas jovens regularmente para ver se estão bem pode ajudá-lo a detectar infestações antes que se tornem prejudiciais. Se detectar uma infestação, você pode cortar a parte infectada da planta e descartá-la com segurança, sem colocá-la em contato com outras plantas. O controle das populações de formigas também pode ajudar a reduzir o número de pulgões. Limpar os detritos das plantações e praticar métodos de rotação de culturas pode ajudar a desestruturar os ninhos e reduzir o número de formigas.

Controle biológico

Métodos de controle biológico oferecem uma alternativa mais segura aos pesticidas químicos. Os métodos de controle biológico para atingir os pulgões incluem a aplicação de substâncias naturais às plantas, incentivando o crescimento de inimigos naturais nativos ou liberando agentes de biocontrole, que incluem predadores e parasitas. Esses dois últimos exemplos são conhecidos como macrobianos.

Substâncias naturais podem ser métodos eficazes de controle biológico contra pulgões. Óleo mineral é eficaz para matar pulgões e atua impedindo que as pragas respirem (respirem). Piretrina é um composto encontrado nas sementes de plantas com flores de piretro que tem efeitos inseticidas contra pulgões. Atua atacando o sistema nervoso dos insetos.

Existem muitos predadores naturais de pulgões, incluindo joaninhas, crisopídeos e minúsculos insetos piratas. Normalmente, o número de predadores não aumenta significativamente até que já haja uma grande população de pulgões, o que pode ser tarde demais, portanto, pode ser benéfico libertar predadores nativos de pulgões no início da temporada para ajudar a controlar o seu número.

utilização vespas parasitas que põem ovos em pulgões e os utilizam como hospedeiros é outra opção de controle.

Duas pessoas em um campo vestindo trajes de segurança brancos usando equipamento de pulverização em um campo de cultivo
Agricultores no Quênia pulverizam substância biopesticida bacteriana nas plantações para matar larvas de pragas. Direitos autorais: Fundo Global para o Meio Ambiente, Flikr.

Controle químico

Pesticidas químicos têm sido usados ​​para controlar o número de pulgões, mas causam danos significativos ao meio ambiente. Além disso, os métodos de controle químico esgotam os predadores naturais de pulgões e podem criar um nicho para o aumento dos níveis de pulgões. O enrolamento das folhas pode proteger os pulgões dos pesticidas químicos.

É importante lembrar que em algumas árvores maduras, a melada produzida pelos pulgões pode atrair insetos benéficos que podem manter outras pragas afastadas. Portanto, é importante garantir o uso de medidas anti-pulgões apenas quando tiver certeza de que elas estão causando um problema.

Conclusão e direções futuras

Os pulgões são um grupo diversificado de pragas que podem impactar significativamente uma ampla variedade de culturas. A sua capacidade reprodutiva sexual e assexuada significa que o seu número pode aumentar rapidamente em diferentes estações. Os pulgões se alimentam da seiva das plantas hospedeiras, estimulam o crescimento de fungos e transmitem doenças às plantas. Identificar precocemente os pulgões e compreender as espécies específicas envolvidas são passos cruciais no manejo de suas populações. Os métodos de controle cultural e biológico são importantes para controlar os níveis de pulgões, ao mesmo tempo que minimizam os danos e reduzem o impacto ambiental.

Descubra mais soluções para seus problemas de pragas consultando o Portal CABI de BioProteção. Para saber mais, visite nosso artigo dedicado sobre diferentes tipos de controle biológico.

Compartilhe esta página

Artigos relacionados

Procurando maneiras seguras e sustentáveis ​​de gerenciar pragas e doenças?
Esta página é útil?

Lamentamos que a página não tenha correspondido ao seu
expectativas. Por favor, deixe-nos saber como
podemos melhorá-lo.