Tuta absoluta: O que é e como eliminá-la? 

A brown and grey Tuta absoluta moth
Mariposa adulta de Tuta absoluta mostrando o padrão marrom de suas asas característico da espécie. Foto © CABI   

Tuta absoluta (Phthorimaea absolutaé uma praga altamente destrutiva do tomateiro que está presente em várias partes do mundo. Nativa do Peru, esta espécie de mariposa pode causar danos a cultivos de tomate 

Os produtores estão muito preocupados com os danos que Tuta absoluta pode causar. Esta praga do tomate se espalhou rapidamente por todas as regiões produtoras de tomate devido à dispersão que as pessoas fazem durante as viagens e devido ao comércio entre os países. 

Entre as décadas de 1960 e 1990, a mariposa se espalhou do Peru para todos os países da América do Sul, tornando-se uma praga invasora, ou seja, uma praga não nativa. Logo depois, em 2006, foi relatada pela primeira vez fora da América do Sul, na Espanha. Em poucos anos, Tuta absoluta se espalhou para a maioria dos países ao redor do Mar Mediterrâneo. 

Quinze anos depois, Tuta absoluta está presente em toda a Europa, Oriente Médio, África e partes da Ásia 

Tuta absoluta na cultura de tomateiro

A tomato showing signs of a Tuta absoluta infestion
Tuta absoluta em um fruto de tomate apresentando sinais de infestação. Foto © CABI   

Nas áreas invadidas por Tuta absoluta observa-se um rápido impacto na economia e na renda dos produtores. O CABI publicou recentemente um artigo de pesquisa que revelou o impacto anual das praga invasoras, incluindo Tuta absoluta na África. As perdas na cultura de tomateiro nas economias africanas atingem US $ 10,1 bilhões a cada ano. 

Em 2017, Tuta absoluta causou devastação na África, dizimando as plantações de tomate. Na época, os pequenos agricultores no Quênia, como Elias Kamuga, relataram perdas massivas na cultura de tomate. 

“Sofri perdas de até 90%. Não tenho outra fonte de renda além do cultivo de tomates. Eu estava confiado nesta colheita para alimentar minha família” 

Tuta absoluta é uma praga no cultivo de tomate com a qual muitos pequenos agricultores não sabem lidar e, além disso, sua chegada inesperada em novas regiões significa que muitas vezes os agricultores não têm o conhecimento prévio sobre a praga e, portanto, não têm experiência no manejo de sua dispersão. 

O ciclo de vida de Tuta absoluta 

Tuta absoluta tem um ciclo de vida com quatro estágios: ovo, larva, pupa e adulto. O estágio larval é responsável pelos danos causados a várias partes da planta. 

As fêmeas de Tuta absoluta colocam seus ovos individualmente na parte inferior das folhas, caules e sépalas (são estruturas que cobrem as flores). 

As larvas emergem dos ovos e se alimentam da planta de tomateiro, incluindo os frutos verdes. Elas constroem “minas” na planta onde se alimentam (daí o nome “traça-do-tomateiro”). 

As larvas saem das “minas” que criaram ao se alimentar e formam os casulos nas folhas pequenas ou no solo, mas as pupas também podem se formar dentro das minas ou frutos sem formar casulos. 

A mariposa adulta emerge e pode voar até uma distância de 100 quilômetros. 

Veja o diagrama do ciclo de vida de Tuta absoluta no ResearchGate  

Sintomas causados por Tuta absoluta 

A close up of a tomato showing tutat absoluta infestation with exit holes where the
Orifícios de saída em frutos de tomate no Quênia: um dos principais sinais de uma infestação por Tuta absoluta. Foto © CABI 

Por ser o tomate uma das frutas mais consumidas no mundo, os produtores querem saber como reconhecer e manejar Tuta absoluta em suas lavouras o mais rápido possível. Alguns dos principais sintomas a serem observados quando ocorre o ataque por Tuta absoluta em plantações de tomate são: 

  • Presença de túneis que evidenciam a alimentação interna na planta, incluindo frutos, pontos de crescimento, flores, folhas e caules.
  • A fruta tem formato anormal e/ou um tamanho reduzido.
  • Orifícios de saída evidentes no fruto.
  • Queda de fruta e queda das flores ou aborto prematuro.
  • Evidência de alimentação na parte externa de flores e folhas.
  • As folhas crescem anormalmente ou estão dobradas ou enroladas.
  • Morte da planta
A leaf with tuta absoluta larval mines
Evidência da alimentação das larvas de Tuta absoluta nas folhas de um tomateiro (este dano é conhecido como minas) Foto © CABI 

Reconhecimento de Tuta absoluta  

Tuta absoluta pode ser reconhecida por diferentes nomes. Seu nome científico é Phthorimaea absoluta, mas antes foi também reconhecida como Tuta absoluta. Outros nomes científicos pelos quais essa praga foi reconhecida incluem Gnorimoschema absolutaScrobipalpula absoluta e Scrobipalpuloides absoluta. O nome comum mais usado em português é traça-do-tomateiro. 

É importante ser capaz de identificar os vários estágios de desenvolvimento de Tuta absoluta, de ovo à mariposa. Descrevemos as mudanças de cor e forma abaixo. 

It is important to be able to identify Tuta absoluta at its various stages of development, from egg to moth. Below, we describe the changes in colour and shape.  

Ovo  

A yellow tuta absoluta egg
Imagem ampliada de um ovo de cor amarelada de Tuta absoluta. Foto © CABI 

Os ovos são de forma oval, com cerca de um terço de milímetro (0,35 mm) de comprimento, e sua cor varia de branco ao amarelo. O ovo escurece à medida que o embrião se forma e, eventualmente, fica marrom antes da eclosão.  

Larva  

A Tuta absoluta larva showing the green and pink
Larva de Tuta absoluta mostrando uma coloração verde e rosa à medida que se desenvolve. Foto © CABI 

Logo depois da emergência das larvas, elas são de cor branca, mas tornam-se verdes quando começam a se alimentar da planta. Durante o último estágio larval, eles têm cerca de 7,5 mm de comprimento. À medida que se desenvolve, muda para uma cor rosa claro, embora os alimentos possam influenciar a cor final da larva. Conforme as larvas se desenvolvem, a cor rosa se torna mais perceptível e uma placa marrom-preta aparece atrás da cabeça. 

Pupa  

The Tuta absoluta pupae
Pupas de Tuta absoluta. 1) macho 2) fêmea. Foto © M.A. Uchoa-Fernandes 

Antes de a larva começar a formação da pupa, ela muda de cor novamente, tornando-se um verde mais claro do que as larvas que ainda estão se alimentando. As pupas têm cerca de 5 mm de comprimento. Eles são verdes no início, mas tornam-se marrom-escuro antes de a mariposa adulta emergir. 

Adulto  

An adult Tuta absoluta moth with the distinctive brown and grey patterned wings and antenna with alternate light and dark sections
Uma mariposa adulta de Tuta absoluta mostrando o padrão distinto de marrom e cinza alternadamente nas asas e antenas. Foto © CABI 

A mariposa adulta tem cerca de 10 mm de comprimento e é coberta por escamas cinza-prateadas. As antenas são filiformes, com coloração alternada claros e escuros em cada segmento. Seu aparelho bucal tem dobras em forma de aba. 

Como se livrar do Tuta absoluta? Métodos de controle  

A rápida dispersão de Tuta absoluta levantou a necessidade urgente de obter informações precisas sobre o manejo sustentável desta praga. Até recentemente, um dos principais métodos de controle baseava-se no uso de pesticidas químicos, mas agora os produtores têm outras opções ecologicamente mais corretas que podem usar. 

Em 2020, por exemplo, CABI e Sistemas Biológicos de Koppert realizaram um projeto no Quênia para mostrar como o controle biológico e o manejo integrado de pragas (MIP) podem ajudar no manejo de Tuta absoluta. Saiba mais sobre o projeto Tuta absoluta aqui. 

Biocontrole e biopesticidas  

O controle biológico (ou biocontrole) é o uso de organismos vivos e compostos de origem natural (ou aqueles idênticos à forma como ocorrem na natureza) para controlar populações de pragas e doenças. 

Os agentes invertebrados de controle biológico (ou agentes macrobianos) e os biopesticidas podem ser considerados abordagens eficazes no controle de Tuta absoluta de forma natural. 

Macrolophus pygmaeus, an enemy of tuta absoluta, on a plant
Macrolophus pygmaeus é um inimigo natural de Tuta absoluta que pode ser utilizado como método de controle biológico dessa praga. Foto © CABI 

Por exemplo, insetos predadores do grupo dos mirídeos podem controlar Tuta absoluta. Dois espécies de mirídeos predadores (Nesidiocoris tenuis e Macrolophus pygmaeus) podem ocorrer naturalmente em um ecossistema, mas ambos também podem ser adquiridos comercialmente como agentes de controle biológico em certos países, como na Espanha e na França. 

Além dos mirídeos, outros agentes de biocontrole e princípios ativos também têm sido comercializados para o controle do Tuta absoluta. Para saber quais bioprodutos podem ser utilizados em seu país, consulte o Portal CABI de Bioproteção. 

Para obter mais informações sobre o controle biológico em geral, consulte O que é o controle bológico? e como funciona. 

Manejo Integrado de Pragas (IPM)  

The leaves of a tomato plant in Kenya being examined as part of Integrated Pest Management. Photo ©CABI
As folhas de uma planta de tomate no Quênia são examinadas como parte do Manejo Integrado de Pragas. Foto © CABI 

Manejo Integrado de Pragas (MIP) é um método de controle de populações de pragas agrícolas e visa não erradicar completamente as pragas, mas sim controlá-las em níveis manejáveis ​​ou abaixo do chamado Nível de Dano Econômico (NDE), o qual é o ponto em que o custo de dano causado pela praga na cultura é maior do que o custo de aplicação de práticas de manejo de pragas. 

O IPM inclui: monitoramento de populações de pragas, uso de controle biológico (veja acima), controle mecânico e práticas culturais preventivas. 

Algumas das recomendações no MIP para o controle da Tuta absoluta incluem o uso de produtos caseiros obtidos de plantas que tenham feito pesticida, a adaptação de práticas culturais específicas que contribuem para a conservação de inimigos naturais nativos e o uso de variedades de ciclo curto, quando for apropriado. 

Para obter mais informações sobre o manejo de Tuta absoluta, consulte o Manejo de Tuta absoluta através de uma abordagem de proteção biológica do cultivo.