O controle biológico de pragas - o que é?

A bright red ladybird sits on a green leaf
Las mariquitas a menudo son usadas como agentes de control biológico de insectos plaga, incluyendo a los pulgones. © Quartl/vía wikipedia - CC BY-SA 3.0

 

Controle biológico (ou ‘biocontrole’) é a utilização de organismos vivos e compostos de origem natural (ou idênticos ao modo como ocorrem na natureza) para o controle de populações de pragas e doenças. 

(Associação Internacional de Fabricantes de Biocontrole) define os produtos de biocontrole como: 

Ferramentas que têm sua origem na natureza, têm baixo impacto na saúde humana e no meio ambiente e são utilizadas no controle de pragas, ervas daninhas e doenças. 

Esta abordagem tem sido usada com sucesso por mais de 100 anos para o manejo da proliferação de pragas, a proteção das plantações e restauração do equilíbrio dos ecossistemas e habitats. 

O controle biológico de pragas como alternativa natural ao uso de agrotóxicos 

O controle biológico usa tecnologias naturais para controlar as pragas de forma ambientalmente segura. Quando é usado corretamente, pode permitir que os produtores reduzam o uso de produtos químicos sintéticos, os quais podem ter um impacto devastador e negativo sobre os seres humanos, a vida selvagem, a saúde do solo e a produção agrícola. 

Algumas pragas são espécies invasivas ou pragas não nativas que se mudaram de um lugar para outro sem que seus inimigos naturais pudessem exercer o controle, o que significa que se reproduzirão de forma incontrolável. No CABI, o controle biológico tem mostrado ser uma forma eficaz de controlar espécies invasoras ou não nativas por meio de um método denominado Manejo Integrado de Pragas (MIP) 

Qual é o propósito do controle biológico de pragas e quem deve usá-lo? 

O objetivo do controle biológico é fornecer os agricultores de um mecanismo que proteja suas lavouras dos efeitos de pragas e doenças não desejadas, sem colocar em risco o homem, sem causar danos à fauna silvestre e evitando o surgimento de resistência a pragas. Pode ser usado como método de ataque rápido ou como forma de promover imunidade no sistema da cultura. Além disso, é considerado um método adequado para os interessados ​​na agricultura orgânica e sustentável. 

Por que é necessário o controle biológico de pragas?

A close-up of the biocontrol agent Trichoderma viride
Trichoderma viride (acima) é um fungo que atua como biofungicida. Pode ser usado como método de biocontrole na supressão de doenças causadas por fungos patogênicos. Foto CABI

Os métodos de controle biológico estão ganhando popularidade devido às questões de segurança (ambiental, vida selvagem e humana) e resistência a pragas associadas aos pesticidas químicos convencionais. 

Além disso, o aumento da popularidade entre os consumidores sobre a necessidade de compra de alimentos orgânicos e/ou com baixo conteúdo de resíduos de agrotóxicos resultou em aumento do interesse na busca por métodos mais naturais de controle de pragas.  

Reduzir o uso de produtos químicos sintéticos  

Os pesticidas sintéticos podem causar efeitos prejudiciais em uma ampla variedade de questões agrícolas. Eles podem alterar a vida no solo, limitando os processos básicos de crescimento e vigor das plantas, podem prejudicar a vida selvagem dentro e ao redor da fazenda e contaminar corpos de água. 

A vida humana também pode ser afetada pelos agrotóxicos sintéticos, principalmente os mais tóxicos, tanto pela exposição direta na fazenda e pela contaminação da água potável quanto indiretamente, quando ocorrem perdas nas lavouras devido à resistência das pragas, afetando os meios de subsistência. 

Novas pragas e doenças  

O aumento do comércio e a proliferação das viagens entre diferentes países fizeram com que algumas espécies não nativas invadissem novos lugares, produzindo estragos em ecossistemas nativos com um equilíbrio frágil. Os predadores naturais, patógenos e competidores que funcionam como controladores de pragas e doenças não estão presentes no local da invasão, dando à praga invasora uma grande vantagem sobre outras pragas. 

Quais são os diferentes tipos de controle biológico de pragas?

The biocontrol agent, Diadromus pulchellus, attacking a leek moth pupa
O agente de controle biológico, Diadromus pulchellus, ataca a pupa da mariposa do alho-poró. Imagen de CABI

Existem várias estratégias ou tipos de controle biológico: aumentativo, clássico (importação) e de conservação. 

Controle biológico aumentativo 

O controle biológico aumentativo refere-se à liberação de inimigos naturais de uma praga, incluindo microrganismos, substâncias naturais, insetos e ácaros predadores, que podem matar ou suprimir populações de pragas e doenças. 

A liberação pode consistir em pequenas quantidades, mas constantemente ao longo do ciclo vegetativo (inoculante) ou pode ser uma liberação de grandes quantidades, as quais buscam um impacto mais imediato (inundação). 

Controle biológico clássico 

O controle biológico clássico, também chamado de controle biológico de importação, consiste na introdução de um organismo exótico para controlar uma praga em uma área por ela invadida. 

O objetivo não é erradicar a espécie invasora, mas diminuir sua densidade abaixo de um limite ecológico ou econômico adequado. 

CABI – a organização que administra o Portal CABI de BioProteção – tem uma rica história no controle biológico clássico. Investiga potenciais agentes de controle biológico para várias espécies invasoras em todo o mundo. Seu trabalho incluiu o lançamento do agente de controle biológico Diadromus pulchellus, uma espécie de vespa usada para o controle da mariposa do alho-porró, Acrolepiopsis assectella, uma espécie invasora no Canadá. 

Controle biológico de conservação 

O controle biológico por conservação se refere à preservação – ou conservação – dos inimigos naturais que ocorrem em um determinado ambiente e que controlam a população de uma praga. Esta pode ser considerada uma das estratégias ou tipos de controle biológico mais simples, uma vez que os inimigos naturais já estão fazendo seu trabalho. O objetivo do controle biológico de conservação é manter as populações do agente de controle biológico. 

Quais são os diferentes agentes de controle biológico? 

Nematode and egg under microscopic vision
Um nematoide é um verme microscópico que pode ser usado no controle biológico de pragas e seus ovos. Imagem CABI

Existem diferentes tipos de agentes de controle biológico, incluindo os agentes microbianos, substâncias naturais, invertebrados (insetos, ácaros, nematoides) e os semioquímicos. Todos esses tipos podem causar interrupção, dissuasão ou morte das pragas e doenças que causam danos às plantas. 

Agentes microbianos 

Este grupo inclui bactérias, fungos, vírus e outros microrganismos que têm a capacidade de matar pragas ou combater e prevenir doenças. Esses agentes microbianos têm sido produzidos em massa e registrados como produtos fitossanitários para serem usados contra uma ampla variedade de pragas e doenças em todo o mundo. 

Este método de controle de pragas ou doenças está relacionado ao uso de micróbios ou microrganismos, que são seres vivos muito pequenos.  

Substâncias Naturais  

As substâncias naturais são produtos que se originam na natureza, incluindo compostos químicos naturais, e que têm atividade antimicrobiana, inseticida ou repelente de pragas. Podem ser obtidos de plantas, animais, microrganismos, embora não necessariamente, pois também podem ser produzidos sinteticamente com a composição idêntica à sua forma original. 

Semioquímicos  

Semioquímicos são compostos produzidos por um animal ou planta, que produzem um sinal químico que pode mudar e alterar o comportamento normal de uma praga. 

Um exemplo disso pode ser um feromônio ou outra substância química que emite um sinal de um organismo para outro e que modifica o comportamento do organismo receptor. 

Agentes macrobianos 

Os agentes macrobianos, ou também chamados de agentes invertebrados de controle biológico, incluem insetos, nematoides e ácaros que, quando liberados, podem parasitar e/ou se alimentar das pragas. 

Os parasitoides benéficos, tais como vespas parasitoides, podem ser usados ​​como agentes de controle biológico. Eles colocam seus ovos dentro dos ovos da praga, evitando assim que eles se desenvolvam. 

Em 2021, o CABI e a Koppert Biologicals Systems Ltd realizaram um projeto para manejar populações da praga do tomate, Tuta absoluta no Quênia, usando, entre outras coisas, o mirídeo predador, Macrolophus pygmaeus (conhecido de MIRICAL). 

As vantagens do controle biológico

A caterpillar on a tree which has a thin upper half and a normal bottom half due to a virus
Uma larva de mariposa peluda infectada com o vírus da poliedrose nuclear. Imagem de David Cappaert, Bugwood.org

Dirigido 

Quando é usado um método de biocontrole, ele é selecionado por sua especificidade no combate a uma determinada praga ou doença de planta, resultando em um controle bem-sucedido. 

Sustentável 

O uso de substâncias naturais dentre os métodos de controle biológico reduz a probabilidade de efeitos adversos nas pessoas, na vida selvagem ou no meio ambiente. Isso o torna uma solução viável de longo prazo que pode ser implementada em qualquer tipo de cultivo, como fazendas, jardins privados e estufas. 

Custo 

Em alguns casos, os produtos naturais podem ser comprados a preços mais baixos do que os pesticidas químicos sintéticos. Mas, além disso, ao longo prazo, os produtos biológicos podem ser muito rentáveis, uma vez que promovem uma melhor saúde do solo e evitam as aplicações repetidas de pesticidas químicos que se revelam malsucedidos/indutores de resistência. 

O uso do controle biológico clássico pode ser uma solução permanente e autossuficiente. Uma vez implementado, não há necessidade de reaplicar 

Segurança 

Como os métodos de controle biológico são obtidos a partir de material proveniente da natureza, é improvável que tenham efeitos colaterais perigosos. Infelizmente, é comum observar efeitos colaterais de alguns dos pesticidas químicos mais tóxicos, incluindo aqueles que afetam as pessoas, plantas e ecossistemas de forma aguda (curto prazo) e cronicamente (longo prazo).  

Resistência  

Os controles biológicos têm modos de ação novos em comparação com seus equivalentes químicos, diminuindo a taxa de resistência em pragas e doenças, tornando-os mais manejáveis. Além disso, os cientistas continuamente procuram novos organismos e modos de ação para permanecer na vanguarda. 

Os desafios do controle biológico de pragas 

Armazenagem 

Devido à natureza “viva” dos métodos de controle biológico, instalações de armazenamento adequadas, como refrigeração, muitas vezes são necessárias para manter os componentes vivos e utilizáveis, o que pode não ser opção disponível para alguns produtores. No entanto, nesses casos, um método alternativo de biocontrole, os quais não requerem meios específicos de armazenamento, podem ser usados. 

Educação  

Por ser um método de controle de pragas relativamente novo, alguns produtores podem não ter os conhecimentos necessários para usar o controle biológico de maneira adequada ou ainda podem preferir continuar usando os métodos que já experimentaram. 

Dito isso, os produtos de biocontrole sempre virão com rótulos e instruções detalhadas sobre como usá-los. Além disso, os consultores (quando disponíveis) poderão ajudar com bons conselhos sobre como usar os produtos para garantir sua eficácia. 

A educação do usuário é um tópico que o CABI está trabalhando ativamente para melhorar, inclusive em projetos como o Portal CABI de BioProtecao e o programa Plantwise Plus programme.